Prime: Pesquisadores desenvolvem filtro a base de tabaco para a remoção de metais e agrotóxicos

Previous Next

A Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) teve oito projetos aprovados para o programa de Propriedade Intelectual com foco no Mercado (PRIME), parceria entre SEBRAE e o governo do estado do Paraná.

Dentre os pesquisadores e equipes com projetos aprovados está o depósito de patente intitulado "Produção e uso de adsorventes a base de tabaco proveniente de cigarro na forma in natura, modificados quimicamente e carvões ativados para remoção de metais e agrotóxicos de compartimentos hídricos", coordenado pelo professor doutor Affonso Celso Gonçalves Junior, pesquisador produtividade do CNPq nível 1, lotado no Centro de Ciências Agrárias e que atua como assessor técnico junto a Assessoria de Relações Internacionais da Unioeste. Ainda participa, também como coordenador do referido projeto, o professor doutor Daniel Schwantes (Universidade Católica do Chile) e os colaboradores Jéssica Manfrin e Élio Conradi Junior (Doutorandos), Juliano Zimmermann (Mestrando) e o Juiz Federal Matheus Gaspar.

O projeto, na prática, desenvolve um sistema de filtros adsorventes utilizando carvões ativados a base de tabaco proveniente de cigarros contrabandeados para a descontaminação de águas e efluentes. “Nós conseguimos, por meio destes carvões ativados, remover metais e agrotóxicos de águas contaminadas” explica o professor.

O estado da arte dos projetos coordenados pelo professor Affonso, envolvendo o uso de diferentes resíduos provenientes da agroindústria como materiais adsorventes filtrantes (in natura, modificados quimicamente e carvões ativados), comprovam que os resultados obtidos até então demonstram a grande capacidade de remoção de metais e agrotóxicos de águas contaminadas. Nestes processos são avaliadas as capacidades de remoção e adsorção dos contaminantes de acordo com as características dos materiais utilizados em relação a quantidade de massa de material adsorvente e sua relação em diferentes condições de pH, além dos estudos de equilíbrio, cinética e termodinâmica.

Para o professor Affonso, a aprovação no programa PRIME reflete a importância do trabalho em equipe buscando a inovação tecnológica e ressalta que certamente esta parceria proporcionada por este programa trará mais visibilidade na busca de mercado. “O depósito de patente em questão, em parceria com a Unioeste e com apoio da Justiça Federal do Paraná, é somente uma pequena parte dos inúmeros trabalhos científicos desenvolvidos pela equipe do Grupo de Estudos em Solos e Meio Ambiente (GESOMA-CNPq) com ênfase em inovação tecnológica”, explica Affonso.

Nos últimos anos o professor Affonso Celso Gonçalves Júnior, juntamente com sua equipe do GESOMA, tem realizado inúmeros projetos científicos focados nas áreas de Ciências Ambientais e Ciências Agrárias, mais especificamente com trabalhos voltados para remediação de águas contaminadas por metais e pesticidas utilizando resíduos agroindustriais como elementos filtrantes. Destacam-se também os projetos em parceria com a Alemanha, que avaliam a dinâmica e mobilidade de pesticidas em solos cultivados utilizando lisímetro de percolação e lisímetros de sucção com simulação de chuva.

VISITA

O reitor da Unioeste, Alexandre Webber, e vice-reitor, Gilmar Mello, durante visita ao campus de Marechal Cândido Rondon, puderam conhecer um pouco mais sobre os trabalhos desenvolvidos pelo GESOMA junto ao Laboratório de Química Ambiental coordenado pelo professor Affonso. “É um grupo de pesquisa com muitos projetos, que qualificam os cursos de graduação e pós-graduação. É muito importante o empenho dos professores, agente universitário e alunos de graduação e pós-graduação envolvidos nos projetos desenvolvidos”, conclui o reitor da Unioeste, Alexandre Webber.

QUEM É O PESQUISADOR

Affonso é professor efetivo na Unioeste desde o ano 2000, sendo atualmente professor associado lotado no Centro de Ciências Agrárias atuando na área de química junto aos cursos de graduação de Agronomia e Zootecnia. Também atua na Unioeste, como orientador e docente junto aos Programas de Pós-Graduação em Agronomia (Mestrado e Doutorado) e Engenharia de Energia na Agricultura (Mestrado e Doutorado).

Deve-se ressaltar que recentemente Affonso recebeu a premiação como Pesquisador Destaque em Ciências Agrárias no estado do Paraná no 330 Prêmio Paranaense de Ciência e Tecnologia de 2020.

O professor Affonso atua como avaliador de instituições de ensino superior e cursos de graduação pelo Ministério da Educação (MEC/INEP) desde 2006. Também é consultor ‘voluntário’ na área ambiental para o Ministério Público do Estado de São Paulo desde 2006 e participa como membro de câmaras técnicas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) junto ao Ministério do Meio Ambiente desde 2010. Em 2020 passou a integrar o grupo de consultores ad hoc do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na área de resíduos e contaminantes.

Affonso participa de diversas parcerias científicas internacionais e atua como pesquisador visitante em programas de pós-graduação no exterior com destaque para as seguintes instituições:

  • Institut fur Agrar und Ernährungswissenschaften – Martin Luther Universität Halle-Wittenberg em Halle-Saale (Alemanha);
  • Lysimeterstation Brandis em Leipzig (Alemanha);
  • University of Amsterdam – Chemistry: Science for Energy and Sustainability (Holanda);
  • Universidade Católica do Chile (Chile);
  • Universidade de Lisboa – Instituto Superior de Agronomia (Portugal);
  • Universidade de Santiago de Compostela – Departamento de Química Agrícola (Espanha);
  • Universidade Autônoma de Madrid – Departamento de Química Agrícola e Ambiental (Espanha);
  • Universidade Autônoma de Barcelona – Instituto de Ciência e Tecnologias Ambientais (Espanha);
  • Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia (Portugal).
Texto: Milena Griz, supervisão: Patricia Bosso.